Momentos económicos… e não só

sobre a taxa de poupança, hoje no dinheirovivo.pt

2 comentários

Agora tornou-se popular pensar na “agenda de crescimento” ou outro termo qualquer, como forma de fugir à realidade do ajustamento actual; se a prazo quisermos pensar no crescimento da economia, não vai ser suficiente dizer que queremos ter crescimento, ou que queremos “re-industrializar” o país, é preciso pensar no equilíbrio geral da economia para conseguir apoiar de forma permanente um maior esforço de investimento, o que implica quase forçosamente um aumento da taxa de poupança da população, é este o tema do meu artigo no dinheirovivo.pt de hoje. O quadro seguinte apresenta a evolução da taxa bruta de poupança das familias face ao respectivo rendimento disponível. Para reflexão.

taxa_poupança

Anúncios

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

2 thoughts on “sobre a taxa de poupança, hoje no dinheirovivo.pt

  1. Caro Pedro Pita Barros,

    Pode indicar-me a fonte do gráfico? A série mais longa que eu conheço para o indicador em questão é a do INE (Contas Nacionais), que começa em 1995.

    Também a título de reflexão, não faria sentido olhar menos para a taxa de poupança e mais para a capacidade de financiamento? A diferença entre os dois resulta sobretudo de formação bruta de capital fixo, que no caso do sector em questão corresponderá largamente, presumo, à compra de habitação própria. Se as famílias reduzirem um pouco o seu consumo e aumentarem mais do que proporcionalmente a compra de casa, veremos a taxa de poupança a cair, mas a capacidade de financiar o investimento empresarial terá aumentado.

    Gostar

  2. A fonte dos dados foi a pordata.

    Quis aqui focar no comportamento das famílias e na importância de canalizar as poupanças que estas gerem para investimento produtivo e nos instrumentos que existem para fazer essa aplicação de fundos gerados num lado em actividades produtivas noutro lado. Sobretudo ter em conta que a ânsia de receita fiscal não pode ignorar os efeitos de equilíbrio geral que gera, e as implicações dinâmicas via investimento.

    Há, claro, outras análises interessantes, como a que sugere, de olhar para capacidade de financiamento.

    Obrigado pelo seu comentário.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s