Momentos económicos… e não só

Turismo médico (vs. turismo de saúde) (3)

2 comentários

Entrando agora em comentários sobre as ideias de turismo médico e da apresentação do Neil Lunt sobre o assunto na conferência do health cluster portugal, há um importante ponto de partida para qualquer discussão sobre turismo médico – qual a definição do que é um consumidor?

Aqui, a definição mais comum parece ser bastante limitada – pessoas doentes, dispostas a viajar e a pagar directamente os cuidados de recebidos (o que na gíria de economia da saúde se designa por out-of-pocket).

Ora, o número global de “consumidores de turismo médico” que irá preencher estas condições irá ser limitado. De uma forma geral, para os procedimentos médicos mais sofisticados, para as intervenções clínicas de maior envergadura, as pessoas em geral pretendem ter uma protecção financeira em caso de doença, pretendem ter um seguro, seja privado ou público.

Esta característica altera de forma substancial a “procura” de turismo médico: passa a haver um novo participante, o “terceiro pagador”, a entidade que assume a responsabilidade das despesas de saúde quando e se forem necessárias, na extensão que tiver sido acordada; a existência deste “terceiro pagador” altera também as condições em que cada doente fará a escolha entre ser tratado no seu país de origem ou procurar tratamento num outro país; e levanta, por fim, a questão de quem é o decisor chave, o doente, ou o “terceiro pagador” se tiver possibilidade de se negar a pagar fora do contexto que tiver sido explicitamente acordado?

No relatório da OCDE, são identificados vários tipos de “turistas” por motivos clínicos, para além da definição de “doente, disposto a viajar e disposto a pagar directamente”:

– visitantes temporários de um país, que têm o azar de ficar doentes; são pessoas que em viagens de lazer ou negócios ficam doentes; não serão “turistas médicos” no sentido do turismo médico que tem vindo a ser discutido. Nem serão uma procura especialmente expressiva, não serão factor de crescimento ou de desenvolvimento de um sistema de saúde virado para a prestação de serviços em turismo médico.

– residentes num país de nacionais de outro país – também este outro não será exactamente o que se pretende denominar com “turismo médico” – claro que podem criar uma pressão de procura para os sistemas de saúde de cada país, com especial acuidade nalgumas regiões, ou procurando tratamentos que não são disponibilizados nos seus países de origem, mas uma vez mais não são o “turismo médico” como ele tem vindo a ser entendido.

– cuidados transfronteiriços – com a partilha de equipamentos de saúde, não são também eles “turismo médico”; são e devem ser pensados em termos locais;

– doentes colectivos – são os doentes que resultam de “outsourcing” de tratamento por parte dos “terceiros pagadores” que os cobrem; não têm uma decisão individual no sentido em que não pagam directamente (out-of-pocket) os cuidados, mas há uma organização, uma entidade, que os organiza nesse sentido. Este tipo de doente pode corresponder a uma parte relevante do “turismo médico”. A meu ver será aliás nestes doentes que se concentrará uma fatia, senão mesmo a fatia mais interessante, do movimento europeu de “turismo médico”.

Os elementos chave da definição da procura, de acordo com o relatório da OCDE, são “tratamentos a baixo custo”, “custos de transporte baixos” e “informação prestada pela internet”.

Mas há outras questões a serem respondidas: em que medida esta é uma “procura desviada” ou uma “nova procura”? É crucial perceber os aspectos dinâmicos e as implicações das decisões empresariais tomadas. Situações em que muitos procuram satisfazer sobretudo uma “procura desviada” resulta normalmente em sobre-investimento sem que haja um fluxo de doentes correspondente. Por procura desviada entendo procura de cuidados de saúde que seriam prestados de qualquer modo, sendo que o “turismo médico” o que faz é alterar o âmbito geográfico da decisão de onde se realizar o tratamento.

Anúncios

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

2 thoughts on “Turismo médico (vs. turismo de saúde) (3)

  1. Meu caro Pedro
    No final da leitura dos 3 post que aqui deixaste sobre o tema congratulo-te pela objectividade e conteúdo.
    E deixo uma achega com votos de Bom 2013: um País que tem no Turismo (importação) ainda dificuldades para ser reconhecido como um destino bem diferenciado e sustentadamente fidelizado por vários segmentos de mercado, para além do peso dos velhos factores chave de sucesso de Portugal (Sol, Praia, Comida e Simpatia e ultimamente golf ) falta-lhe um e que na Saúde é critico: Imagem de Marca comparativamente bem percebida. Curiosamente Lisboa e o Porto enquanto cidades teem conseguido dar boa conta de si neste tema.
    Donde, e sem entrar em abordagens complexas sobre “o comportamento e processo de decisão de compra” concordo que o segmento – doentes colectivos – é o unico que tem algumas hipóteses de uma forma sustentada. Tal como acontece no nosso muito turismo de massas (antes da crise…)
    Não temos ainda competências organizativas reconhecidas para que , na Segurança do Doente e na Excelência Clínica (que já temos em várias Unidades do SNS com pólos muito personalizados nas lideranças e com bons resultados na produção e na relação custo-valor dessa produção) possamos ser a curto médio prazo um Destino “Turístico Médico”
    Numa outra perspectiva o Turismo de “Saúde e Bem Estar” é que me parece um conceito a desenvolver e em que a parte Médica (e as medicinas integrativas) tem importância crescente : exemplos do turismo nesta acepção, no Algarve, Madeira, Douro podem ser mais intensamente potenciados.Mas aqui o Problema é outro: a malta tem dificuldades em trabalhar multidisciplinarmente e entre especialistas em turismo e especialistas em saúde há certamente um glossário a construir. 🙂
    E só depois avançarmos com mais terreno firme. Porque não estamos próximos da Russia para turismo de saude oral (dental) por exemplo.
    O que não quer dizer que não possamos avançar com experiências piloto. Eventualmente utilizando profissionais da saúde imigrados e que, pela sua imagem de dedicação e polivalência, possam potenciar uma nova fase da imagem do Portugal saudável e que dá saude.
    Abraço
    Francisco

    Gostar

  2. Olá Francisco,
    Gosto da tua divisão da questão em dois grandes grupos – o turismo médico, tendo como pólo central a qualidade clínica reconhecida internacionalmente, e o turismo de saúde e bem-estar, tendo como pólo a parte hoteleira e serviços complementares incluindo os clínicos. É uma segmentação que deve ser tida em conta, e duvido que se consiga criar reputação simultânea para os dois de forma rápida. Basta pensarmos que os destinatários (decisores) em cada um desses casos tenderá a ser diferente. A ideia do “glossário comum” é óptima. Obriga desde logo a sentarem-se juntos para um objectivo com os interesses de todos alinhados na mesma direcção.

    Um aspecto que é preciso conhecer melhor é em que medida as unidades do SNS com a excelência clínica necessária possuem projecção além fronteiras que os façam distinguir-se de centros similares noutros países. Não basta ser excelente em Portugal, será necessário destacar-se num contexto pelo menos europeu. E para isso é preciso conhecer bem quais os mecanismos de construção de reputação.

    Por exemplo, se estivermos a pensar em turismo médico que procure trazer “doentes colectivos”, fazer publicidade genérica de Portugal como destino é provavelmente menos efectivo do que organizar visitas convidadas a decisores cruciais, ou à organização da forma como os artigos científicos de cada unidade do SNS são assinados.

    Nos próximos dias, ainda voltarei a este tema do turismo médico.

    Abraço e Bom Ano Novo,

    Pedro

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s