Momentos económicos… e não só

voltemos ao sector da saúde,

3 comentários

Ficou hoje disponível a versão 1 de um trabalho nosso sobre as taxas moderadoras, disponível  aqui.

O que faz este trabalho ser diferente dos outros e por isso trazer informação complementar – inquirir as pessoas sobre a última vez em que se sentiram doentes, e com isso procurar avaliar mais directamente o papel das taxas moderadoras como inibidor de acesso.

Os valores de utilização não captam necessariamente as situações não ida aos cuidados de saúde, e por isso houve a necessidade de inquirir a população, o que  por seu lado obriga a reflexões sobre o que se pergunta e como se pergunta.

A propósito do trabalho recebi o seguinte comentário, que considerei de interesse partilhar, bem como as minhas respostas.

“Li atentamente o vosso trabalho que me chegou via [***] e gostaria de vos felicitar pelo interesse e qualidade do mesmo.
No entanto, tive pena que ele não incidisse também sobre a procura dos serviços para situações não agudas, nomeadamente nos cuidados de saude primários para as consultas de vigilância. É minha percepção que no presente há mais faltas às consultas de vigilância, nomeadamente das doenças crónicas (hipertensão, diabetes…) e seria interessante perceber se esse comportamento se relaciona directamente ou não com o aumento das taxas moderadoras. Fica para um outro estudo?”

Há uma parte de comportamento e percepção das pessoas que incide sobre a última situação de doença, aguda ou não. A parte de utilização de cuidados de saúde tem um seguimento do que as pessoas fizeram da última vez que se sentiram doentes, e a que serviço recorreram.
De qualquer modo, poderemos de futuro incluir uma componente maior sobre as visitas de rotina dos doentes crónicos e se estão a faltar às consultas. Dentro no nosso inquérito, não foi inquirido se o doente era crónico ou não, temos apenas o motivo da última vez que se sentiu doente. Se houver próxima vez, tentarei incluir o que sugere.
Essa parte até é possível de tentar conhecer com dados administrativos que possam ter – se para cada doente em seguimento de doença crónica houver uma melhor prática de vigilância que esteja definida, pode-se verificar se as consultas dos doentes sinalizados como crónicos estão a ficar mais espaçadas no tempo.  É só preciso que haja uma melhor prática consensualizada dentro da USF (ou uma geral que tenha sido adoptada) para se ter um ponto de referência claro, saber dentro da vossa USF quem são os doentes que deveriam fazer esse seguimento, e tirar do sistema de informação as datas das consultas que tiveram.

“E posso saber a sua opinião actual sobre a completa isenção de taxas para quase 65% da população, pelo menos no meu contexto profissional (uma USF eminentemente rural)? De que forma se modera a utilização abusiva dos serviços por parte de quem não paga absolutamente nada por eles?…”

Há três formas de “moderar” para além do preço, nenhuma delas perfeita:
a) através do tempo de espera, por efeito de triagem e estabelecimento de prioridade – difícil de usar nos cuidados de saúde primários, pois os doentes até esperam que o médico abre a porta ou apareça num corredor para o abordarem
b) administrativa – marcações dilatadas no tempo para quem usar muito frequentemente,
c) através das decisões dos médicos/médicas – marcando próximas consultas para um prazo mais longo
Alternativas a “moderar”,
d) encontrar outra forma de as pessoas se desviarem dos serviços – mas nessa população idosa, depende do que estão à procura
e da respectiva literacia (se procurarem apenas companhia, não há “moderação” que resista, mas criar grupos de entreajuda entre eles, com apoio da área social poderá ser uma ideia)
e) a longo prazo, aumentar a literacia de saúde das pessoas para perceberem que estão a abusar (mas tenho a sensação que frequentemente sabem disso e continuam…)
E claro há a alternativa preço, ter taxa moderadora, com algumas diferenças face ao sistema actual:
– em geral a grande diferença na utilização é entre ser pagamento zero ou não; por isso um taxa moderadora que cubra os custos administrativos da sua cobrança poderá ser a mais apropriada
– pode-se dar um “crédito” anual de consultas – se for a mais do que 6 por ano, por iniciativa própria, passa a pagar uma taxa moderadora.

 

Anúncios

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

3 thoughts on “voltemos ao sector da saúde,

  1. Caro Prof. Pita Barros,

    Muito interessante. É interessante verificar – na análise que fizeram às visitas de urgência em função dos códigos de Manchester – que o grosso das urgências são ou verdes ou amarela, ou seja, correspondem à zona intermédia entre o não urgente (mas indisposto / doente) e o urgente.

    Ou seja, o que parece indicar é a necessidade de reforço do “gatekeeping”, seja via o Saude24 (aprovando a medida de isenção de taxas moderadoras se reencaminhados por este serviço), seja pela integração de um sistema de consultas de segunda linha, em que aos códigos amarelos seriam forçosamente reencaminhados para uma consulta no seu USF (com o sistema de marcações “online” já existente, a consulta até poderia ficar desde logo marcada).

    Gostar

  2. Caro Carlos Duarte,
    É certamente necessário reavivar o uso do Saúde24 na população, desconheço se os dados de utilização do serviço corroboram ou não esta visão, mas claramente é muito menos reconhecido pelas pessoas do que deveria como primeiro ponto de contacto, e a referenciação via Saude24 ter isenção de taxa moderadora é algo que faz parte dos sinais para uma utilização “inteligente” do Serviço Nacional de Saúde. Mas mesmo que não se queira fazer isso, pelos menos manter campanhas de sensibilização da população com regularidade parece-me ser necessário.
    A ideia de consultas desde logo marcadas também deveria fazer o seu caminho.

    Gostar

  3. O uso da Saúde 24 não é maior simplesmente por uma falta de campanha de sensibilização da população. Tenho cerca de 2% de casos referenciados para a USF em doença aguda versus pessoas que marcam consulta na hora por doença aguda. Quando lhes falamos da existência da saúde 24, referem que desconheciam por completo este recurso da comunidade.

    A questão do Gatekeeping ultrapassa-se, uma entre muitas maneiras, marcando as consultas consoante o tipo de utente que temos à frente, uma pessoa saudável que procure o médico aos 30 anos não necessita de ter consulta marcada para daqui a x de meses. Quanto muito precisa de fazer rastreio de hipercolesterolémia aos 40-45 anos! Agora se for um diabético mal controlado em termos da doença provavelmente necessitará de 3 a 4 consultas ou uma pessoa com depressão de novo, necessitará de 6 a 8 consultas num ano. Se conhecermos a carga de doença de uma lista de utentes, que doença tem cada utente, podemos programar e optimizar a sua vinda às consultas, libertando tempo de consulta para consultas de doença aguda ou não programadas. Necessita-se também de criar e melhorar algoritmos que permitam calcular o risco de carga global de um doente com pluripatologia de modo a efetuar um ranking de utentes por prioridade, especialmente nos doentes idosos.

    Em relação a outros posts que o professor colocou, muitos utentes estão desistir da consulta não pela taxa moderadora mas porque o custo do serviço de transporte, especialmente em meios suburbanos aumentou de forma drástica de preço e reduziu na oferta de horário. Esse tem sido um aspecto que não se tem tido em conta.

    Bom fim de semana e se for caso disso, boas férias!!

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s