Momentos económicos… e não só

E eis que “ela” volta à discussão, a produtividade

1 Comentário

Pela mão da Moody’s (aqui), no seu mais recente relatório, embora só tenha visto o press release (não tenho acesso ao documento mais substancial), a “culpa” de não haver uma visão mais simpática está na evolução previsível da produtividade, que até aumentou recentemente.

Oops, mas não era isso que queríamos? Sim, mas …
O mas ė aqui importante e a Moody’s tem motivo para chamar a atenção. Portugal tem feito ajustamentos no passado na sua produtividade agregada – pib / valor acrescentado por trabalhador – que resultaram de redução do número de trabalhadores mantendo o valor acrescentado e não pelo aumento do valor acrescentado que se produz.

Com a actual crise aparentemente é esse mecanismo que voltou a funcionar (no passado foi algo que me chamou a atenção, ver aqui e ver aqui, e as visões há 10 anos de Pedro Lains e Miguel Lebre de Freitas aqui).
As empresas despediram mas conseguiram manter a produção. As empresas com menor produtividade, que geram menor valor acrescentado foram desaparecendo.
Em si mesma esta evolução ao nível de cada empresa é melhor do desaparecer, seria melhor que as empresas tivessem conseguido aumentar o valor acrescentado do que produzem e mantido o emprego. O ajustamento feito poderia ter sido melhor (podia ter sido pior também mas devemos ser exigentes).
Como esses trabalhadores que perderam o emprego não tiveram oportunidade de encontrar outro o desemprego atingiu níveis muito elevados e inéditos em Portugal.

O desafio que agora existe é conseguir simultaneanente dois objectivos – que as empresas consigam aumentar o valor acrescentado do que produzem e com isso recrutar novamente trabalhadores sem que a produtividade volte a baixar, e que os trabalhadores desempregados se direccionem para os sectores com maior crescimento e potencial de crescimento da produtividade.

A recuperação de empregos nos próximos anos não vai ser, é bom que não seja, nos mesmos sectores e empregos que foram destruídos na actual crise. As oportunidades mais interessantes para os desempregados vão estar noutras áreas e aqueles que mais rapidamente as descobrirem melhor resolverão a sua situação.

Esta transiçāo de trabalhadores para sectores diferentes daqueles onde trabalharam coloca maior responsabilidade no próprio desempregado. Será difícil que um qualquer centro de emprego consiga saber melhor que o próprio trabalhador que tipo de emprego mais o satisfaz fora do que foi a sua experiência passada. Os mecanismos de apoio público têm que descobrir como apoiar da melhor forma esta passagem de uns sectores para outros.

Ė este afinal o ponto central que deve ser retirado, a meu ver, do press release da Moody’s.

Anúncios

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

One thought on “E eis que “ela” volta à discussão, a produtividade

  1. Caro Professor,
    Obrigado pelos seus comentários e observações sempre ponderadas e esclarecedoras!
    Esta observação e a conclusão feita pela Moody’s merecem-me dois comentários:
    – Por um lado. não me surpreende a reacção dos empresas. Em modo “crise” ou de “sobrevivência” há uma tentação imediata de “fazer mais com menos”. É, de certo modo, a mesma reacção daqueles marinheiros que se atam ao mastro do navio em plena tempestade: isto é passageiro, vamos tomar medidas de maior esforço e sacrifício mas depois virá a bonança e voltaremos ao mesmo…
    O que significa que ainda não perceberam que é necessário “mudar o jogo”, ou mantendo a analogia marítima, mudar de rota…
    – O que me leva ao segundo comentário: a recuperação da economia portuguesa será necessariamente pautada pela renovação do tecido empresarial português, onde novas empresas com novos modelos de negócio e uma orientação para “o valor acrescentado” vinguem em plena competição internacional.
    – Finalmente, o que o “press release” não menciona é que isso já está a acontecer hoje na economia portuguesa onde sectores como o calçado e mesmo o mobiliário (e outros) fizeram este percurso do maior valor acrescentado. Seria importante “desagregar” esta produtividade média por sector para tirar conclusões (e lições). É um percurso lento, que leva tempo mas o incentivo certo é a ausência de “desvalorizações” da moeda, que obrigam as empresas a subir na cadeia de valor.
    – Para mim a grande questão é: “qual o conjunto de políticas económicas públicas que devem ser seguidas para acelerar esta transformação?”
    Obrigado,

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s