Momentos económicos… e não só

voltaram as sinergias

3 comentários

para justificar decisões. Retirando do Diário Económico online: “A criação de uma nova empresa de infraestruturas em Portugal, através da fusão da Refer com a Estradas de Portugal, deverá trazer uma poupança de mil milhões de euros para o Estado nos próximos cinco anos, garante fonte oficial do ministério da Economia”.

As revisões das expectativas deste tipo de ganhos levanta-me sempre dúvidas porque:

a) qual a razão da incompetência na primeira previsão (não é clara qual a informação nova adicional)

b) há interesse em empolar as sinergias e poupanças (hipotéticas, neste momento)

c) em geral, nas operações de concentração e fusões, uma das regularidades observadas é que mais de 50% dos casos não tem as sinergias pré-anunciadas, e destrói mesmo valor face às empresas separadas antes, e não há razão para com empresas públicas esta regularidade ser diferente

d) quem anuncia estas sinergias não tem qualquer custo se as previsões de sinergias falharem

e) neste caso, como parecem estar a basear as sinergias na venda de imóveis significa que esperam poupanças sobretudo nos custos fixos, resta saber se os custos variáveis também registaram alguma poupança

f) se as poupanças são sobretudo a nível de custos fixos não é claro porque não há outras alternativas de obter essas poupanças que não passem pela concentração (já agora, se vamos de concentração em concentração, qual a diferença para uma direcção geral de infra-estruturas?)

Ficaria mais confiante neste tipo de afirmações se fosse dito que os responsáveis por estas afirmações devolveriam um terço do que ganham desde hoje até, digamos, 5 anos depois da operação de concentração se for verificado que após cinco anos não ocorreram essas sinergias. Desta forma teriam um custo de fazer previsões excessivamente optimistas apenas para justificar a sua decisão e teriam interesse em ser mais precisos nessa estimativa.

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

3 thoughts on “voltaram as sinergias

  1. As sinergias são como a “presunção e a água benta”.Cada um toma a que quer. O que significa neste como noutros casos de sinergia por dimensão “Para a vaidade e para a devoção não há limites estabelecidos.” Sobretudo se não forem quantificados. Enfim…

    Gostar

  2. Caro Prof. Pita Barros,

    Não conheço a Refer ou as EP em detalhe. No entanto acho surpreendente que as mesmas pessoas (ou o mesmo pensamento) que separou a Refer da CP – porque, suponho, admitia que se criaria mais valor separando as empresas – considere que juntar a Refer à EP teria efeitos sinergéticos e aumentaria o valor.

    Gostar

  3. recebido por facebook:

    Mais uma vez. Não estarão por trás outros motivos!?!
    Daqueles em que invocando o prejuízo e má gestão do público se vai beneficiar alguns!?!
    Do privado, claro..

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s