Momentos económicos… e não só

a PT e a concorrência

5 comentários

Como não seria difícil antecipar, depois da manifestação de interesse firme da Altice, começam a surgir outros interessados entre eles a NOS, ou melhor os seus accionistas, a dizerem-se dispostos a participar numa solução, além de fundos internacionais. Curiosamente, apenas da Vodafone não se ouviu qualquer reacção (ainda).

Dada o peso da PT no mercado nacional de telecomunicações, qualquer solução que envolva empresas que já estejam a actuar no mercado nacional irá implicar uma análise pela Anacom e pela Autoridade da Concorrência (esta última com poder decisório sobre qualquer solução que tenha natureza de concentração). O que trará para a discussão a importância da celeridade do processo para quem está a vender.

Até certo ponto há um paralelo com o que foi a venda da Espirito Santo Saúde. Num mercado com relativamente poucos operadores, soluções nacionais têm que passar mais crivos do que a entrada de uma empresa que não estivesse até agora a trabalhar em Portugal neste sector. A outra diferença é não ser uma operação em bolsa. Como já foi várias vezes referido, os activos da PT Portugal são propriedade da Oi, e a PT cotada em bolsa é accionista da Oi. Daí que o processo de venda não tenha que ser necessariamente ao melhor preço oferecido de forma transparente, podendo quem vende dar maior ou menor importância à velocidade da operação (aceitando um menor preço, ou não).

Em termos de impacto sobre o mercado nacional, a aquisição da PT pela NOS será o que obriga a maior trabalho de análise, sendo quase inevitável a venda de activos de uma eventual nova empresa, colocando-se então a questão de venda a quem (à Cabovisão?). Uma outra solução é a própria NOS desfazer-se enquanto tal, com cada um dos grandes accionistas a assumir-se como líder de um grupo de telecomunicações em Portugal, hipótese que foi levantada em alguns jornais.

Curiosamente, se a fusão que criou a NOS deu na altura espaço à PT para atacar comercialmente o mercado, com o lançamento do Meo e dos respectivos “pacotes” de produtos, e as confusões da PT com o universo Espirito Santo deram espaço para a NOS atacar comercialmente o mercado, uma reconfiguração do mercado que venha a envolver a NOS deixa espaço para uma empresa como a Vodafone ser mais activa comercialmente durante este tempo. Veremos se o será ou se não resistirá à tentação de também entrar na corrida por (alguns) activos da PT.

Pergunta que fica no ar: será que vai suceder como noutros casos, e no final são os chineses que compram tudo? (até agora não há nenhum sinal vindo de empresas chinesas, nem consta que haja interesse; seria uma mudança face aos últimos grandes negócios empresariais em Portugal).

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

5 thoughts on “a PT e a concorrência

  1. Pedro, não vão ser os chineses, desta vez. A dona da PT precisa de dinheiro, já.
    Um VC ( Apax; Bain e ……) podem ate oferecer menos e ficar com a PT. Não tem que negociar nada. O regulador nada tem para obstar. A dona da PT não tem qualquer interesse no que acontece a empresa depois da venda. Calce os sapatos dos accionistas da Oi e a resposta surge de imediato a sua frente.

    Sobre o “Apelo……”: uma pergunta para o Pedro: tem mesmo respeito por esta proposta e pelos seus subscritores ( entenda-se : não pelas pessoas mas enquanto subscritores desta proposta) ?
    SP.

    Gostar

    • Nota: a discussão sobre se Apax ou Bain são VC’s ou PE’s e’ para o caso irrelevante. Uma e outra tem por objectivo saída ate 5 anos e a estratégia sera construída para esse objectivo. Mas nada disto e’ relevante para a Oi.
      Na verdade a estratégia da PT que conheciamos , foi sempre a maximizacao dos CF para permitir que os accionistas ( os que mandavam) realizassem liquidez. Penso que hoje estamos de acordo que nunca houve outra estratégia na PT que não aquela.
      SP

      Gostar

    • Caro Sérgio,
      Também acho que não surgirão chineses neste caso, lancei a pergunta mais em tom de provocação, dado que tem sido daí que tem vindo o “músculo” financeiro para as aquisições de maior volume.

      Sobre a proposta e quem subscreveu – tenho forte discordância com a proposta, como ficou óbvio, mas isso não significa que não tenha respeito no sentido de as pessoas terem legitimidade para a fazerem e a defenderem com os argumentos que acharem adequados. A preocupação subjacente à proposta é real, e partilhada por muitos. A forma de lhe responder é que está em discussão.

      Gostar

  2. Certo Certo é que a rede de fibra ótica “zeinalifera” está a olhar, lá do fundo, para a solução que há-de revitalizar o famoso operador lusófono com 2 pernas.
    Desta vez parece que o Norte quererá descer ao sul total PT e Angola subir até Nós.
    A menos que a Telefónica telefone a alguém com financiamento transfronteiriço.

    Gostar

  3. Bem, agora que a Isabel dos Santos lançou OPA vamos ver no que isto dá. É um bocado confuso, pq a PT SGPS não é propriamente a PT mas uma posição no CA da holding da PT e da Oi certamente pode ter alguma influencia não?

    Neste caso que é que a ANACOM pode fazer? Resta saber se a Isabel dos Santos apenas quer comprar a parte da Unitel detida pela ou se quer também a PT Portugal, que nesse caso acho que seria péssimo por razões de poder de mercado excessivo..

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s