Momentos económicos… e não só

Pacto para a saúde (2)

5 comentários

Continuando ainda no primeiro ponto da proposta do Ministério da Saúde, alguns números ácioápidos ajudam a enquadrar a discussão. A primeira figura apresenta a percentagem da despesa pública em saúde (tendo como fonte a execução orçamental, valores consultados na Pordata) sobre o PIB. A segunda figura apresenta a despesa pública em saúde, valor em milhões de euros, contendo três séries: o valor real, conforme a execução orçamental; o valor hipotético caso fosse usada uma regra que fixasse a despesa pública em saúde igual à média da percentagem do PIB nos últimos 10 anos; o valor hipotético caso fosse usada a média dos últimos 5 anos. Tomou-se como ponto de partida 2006, uma vez que a execução orçamental de 2005 reflecte o orçamento desse ano, em que também houve uma “limpeza” de dívidas anteriores.

Dada a tendência ascendente da despesa pública em saúde, limitar o crescimento ao que resultaria de manter o rácio face ao PIB igual ao valor médio dos últimos 10 anos traduziria-se num corte mais elevado do que o registado na evolução real. Se for a média dos últimos 5 anos, então o efeito seria menor mas excepto para 2013 haveria sempre menor despesa do que a evolução real. Em valor acumulado de 2006 a 2013, qualquer uma das regras implicaria menor despesa pública em saúde (com a série baseada na média de 5 anos, a despesa acumulada em 2006-2013 seria 95% da real, e com a séria baseada na média de 10 anos seria de 85%).

Claro que se fosse estabelecido um rácio de 6%, as conclusões seriam radicalmente diferentes e haveria sempre maior despesa com a regra do que com o valor real.

Embora esta simulação rápida tenha sido feita com a execução orçamental, conjecturo que as conclusões não seriam muito diferentes se fosse usado o orçamento ou a despesa do SNS. Como houve dívidas acumuladas, utilizar o orçamento do SNS é menos interessante, e como houve despesas da ADSE que passaram a ser incluídas no orçamento do SNS, utilizar a execução orçamental é uma forma mais rápida de olhar para o problema, facilmente replicável.

Figura 1

Figura 1

Figura 2

Figura 2

o slide 28

o slide 28

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

5 thoughts on “Pacto para a saúde (2)

  1. Caro Prof. Pita Barros,

    Antes de mais, tem ums gralhas (que suponho ser um corrector automático) que lhe transformou rácios em rádios…

    Depois, e em relação à substância, parece-me que esta discussão passará muito em saber o porquê das subidas dos gastos (não nas causas directas – gastou-se mais em medicamentos, existiram mais consultas – mas antes nas subjacentes – é devido ao envelhecimento da população? Que “fatia” dos utentes representam custos maiores?). Posso estar enganado, mas parece-me que será mais efectivo (e mais barato) atacar dentro do possível as causas que os efeitos.

    Gostar

  2. Os “rádios” eram “rácios” e não reparei, está agora reparado. Olhar para as causas é obviamente mais relevante. O caso das dívidas dos hospitais é um exemplo de como devemos pensar para lá de ser apenas um problema do medicamento, como tenho insistentemente “postado” aqui. E sobre os outros temas, também devemos detalhar mais o que está por “detrás do pano”.

    Gostar

    • Estive esta última sexta-feira, numa conferência sobre a Reforma do Estado, onde veio ao de cima a questão dos gastos para o futuro, tanto com saúde como com pensões. E um dos “conferencistas” (Luís Aguiar-Conraria, da UMinho) sugeriu que se calhar era uma boa ideia congelar a despesa total (a nível de OE, e, por conseguinte, a de saúde) e igualmente alargar a ADSE à população geral, substituíndo o actual modelo do SNS. O relevante aqui não é a ideia em si (o próprio afirmou que era só uma ideia e desconhecia estudos sobre ADSE vs SNS), mas o facto de que sem se solucionar o problema do sistema de saúde, estarmos a pensar em finanças públicas equilibradas é utópico.

      Gostar

      • Na verdade, parece-me bem mais complicado o problema da segurança social do que a saúde.
        A substituição do modelo SNS pelo modelo ADSE é algo que pode ser discutido, mas implica uma mudança radical, e quando há uns anos se olhou para esse potencial, comparando com o que se passava noutros países, não eram claros os ganhos (essa avaliação está no relatório final da comissão para a sustentabilidade financeira do SNS – creio que era este o título, tão longo que nunca o fixei devidamente). E as comparações que por vezes se fazem em Portugal entre custos da ADSE e do SNS não têm em conta, a maior parte das vezes, que as populações servidas são diferentes.

        Gostar

        • Sem querer alongar de forma excessiva uma secção de comentários, não sei se concordo inteiramente no “grau” de dificuldade. A Segurança Social tem entraves acima de tudo políticos (seja por via constitucional, seja em termos ideológicos), mas o modo de a solucionar parece-me bastante evidente: aplicar o novo modelo de reformas (Vieira da Silva ou versões mais ajustadas deste) de forma universal e retroactiva. Obviamente que isto só será possível com um consenso social (e político) alargado, o que é díficil.

          Já no caso da saúde é pior: uma alteração do modelo de prestação de cuidados muito provavelmente resultará numa diminuição de coberturas e pode dar origem a problemas sociais mais graves que os cortes nas pensões (até porque nas pensões os cortes estariam concentrados numa faixa social com algum rendimento disponível).

          Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s