Momentos económicos… e não só

as urgências dos hospitais, as soluções e o papel da gestão

6 comentários

as últimas semanas têm sido férteis em reportagens sobre tempos de espera para atendimento nas urgências e sobre mortes ocorridas em pessoas à espera de atendimento (que são evidentemente de lamentar). A reacção as estas situações tem ido desde a justificação pelo pico da gripe e o frio que se tem feito sentir às acusações de descalabro e caos no Serviço Nacional de Saúde. O impacto mediático destas situações tem levado a diversas reacções, incluindo o anúncio de utilização dos serviços hospitalares privados (para grande surpresa destes conforme confirmei numa entrevista televisiva a um responsável da actividade privada), entretanto já contrabalançado com um esclarecimento colocado no portal da saúde (original aqui)

As informações que são conhecidas não permitem ter uma visão completa, mas há alguns aspectos que se podem desde já usar para várias implicações:

a) os serviços de saúde, incluindo as urgências hospitalares, nunca estão dimensionadas para satisfazer o máximo pico de procura que possa existir, pois isso implicaria que durante a maior parte do tempo haveria excesso de capacidade (isto é, profissionais de saúde sem ocupação). Assim, o que os sistemas de saúde têm de possuir é capacidade de antecipação e capacidade de resposta sempre que for antecipado um pico de procura. As situações ocorridas mostram que não existiu, em várias ocasiões, essa capacidade de resposta em diversos hospitais. Falta saber se noutros hospitais houve essa capacidade de antecipação e respostas preparadas que evitaram que ocorressem situações similares.

b) o segundo aspecto é saber se estes são casos episódicos ou constituem já uma regularidade. Pela própria natureza das urgências hospitalares, é natural que haja pessoas que pela gravidade da sua situação tenham, infelizmente, falecido na urgência. O que é menos natural é que tal ocorra antes de serem vistas. E o tempo que medeia entre a sua chegada e a atendimento depende de três elementos: quantas pessoas afluem à urgência, quantos profissionais de saúde estão a atender quem chega à urgência e qual o tempo de resolução de cada caso. É relativamente claro que houve um aumento de afluência à urgência. Não é claro (excepto num caso ocorrido no Natal) que tenha havido um menor número de profissionais presente. Sobre se os casos que estão a chegar à urgência são ou não mais graves, necessitando de mais tempo para o seu encaminhamento ou resolução, não consigo adivinhar o papel do tempo de resolução. Na medida em que um aumento de procura fosse antecipáveis, a falta de capacidade de resposta esteve presente. É certo que alguns dos casos de óbito provavelmente ocorreriam de qualquer forma dada a situação clínica, embora seja diferente que tenham ocorrido antes de serem vistos ou depois de serem vistos por um médico depois da sua chegada à urgência.

A questão está então no que deveria ser a capacidade de resposta. E aqui surgiram muitas sugestões  – contratação de pessoal, alteração de equipas, horários alargados de funcionamento dos cuidados de saúde primários e, nos últimos dias, o eventual recurso à capacidade do sector privado.

Destas várias possibilidades, há que atender a dois aspectos: primeiro, se o problema é um aumento da procura nesta altura do ano, a solução deverá ter um caracter sazonal e não permanente; segundo, a resposta deve ser de cada unidade e não centralizada, centralmente deve existir apenas a preocupação de que os mecanismos de ajustamento de cada unidade hospitalar estejam à disposição da respectiva gestão, ou solucionar problemas de coordenação dentro do Serviço Nacional de Saúde.

Dentro desta linha de argumentação, o alargamento de horários dos cuidados de saúde primários idealmente não deveria surgir por determinação central do Ministério da Saúde em reacção a problemas, mas como resposta de antecipação. Os hospitais e os centros de saúde das respectivas zonas geográficas deveriam, nas suas funções de gestão, ter capacidade de perceber os riscos de ocorrência de picos de procura, e encontrar os mecanismos de resposta. Se parte substancial das situações corresponde sobretudo a consultas não programadas que podem ser realizadas nos cuidados de saúde primários e não verdadeiras emergências hospitalares, então os diferentes pontos de gestão no Serviço Nacional de Saúde têm que saber como antecipar e responder.

Outra resposta possível está associada à gestão interna de cada hospital, e à forma como o respectivo serviço de urgência se encontra organizado – quem presta serviço, em que condições, se há ou não contratação de empresas de serviços para o efeito, se deveria ser pensado outro modelo de organização, etc. A este respeito, creio que se poderia facilmente ter melhorias se não se ficar preso a regras iguais para todos os hospitais que não têm problemas iguais. Um exemplo de ideias a serem exploradas pode ser encontrado num trabalho de Paul Traicus, a propósito do serviço de urgência num hospital de Toronto (com tempos de espera de 24 horas ou mais), que também colocou questões para discussão (aqui). Ou seja, pensar de forma diferente o sistema de atendimento e os fluxos internos de funcionamento poderão dar uma resposta para mitigar estas situações.

Estando o aumento da procura sazonal na base dos problemas encontrados (ou pelo menos de grande parte deles), é com surpresa que não assisti a uma campanha de divulgação das vantagens de utilização da linha Saúde24, que não só poderá evitar a deslocação como concluindo-se que seja necessária poderá encaminhar da melhor forma. (nota: numa consulta rápida ao site da linha saúde24 até surge uma possibilidade de registo e chat online, mas não testei a ver se funciona bem). Ou seja, há aqui um instrumento útil e relevante, que não tem tido a relevância necessária nas decisões dos cidadãos – pelo menos, neste tempo de entupimento das urgências não se ouviu a referência a que não tenham sido atendidos pela linha saúde24 ou que do recurso a ela tenham surgido atrasos no atendimento necessário.

A outra surpresa foi realmente a referência à utilização da capacidade privada. Aliás, a nota de esclarecimento, a apontar para apenas situações de grande excepcionalidade, vem de algum modo baixar as expectativas quanto a esta utilização. Embora seja tentador pensar que há capacidade privada que pode ser utilizada, o recurso a ela para satisfazer obrigações de atendimento do Serviço Nacional de Saúde cria mais problemas do que resolve. E isso sem entrar na discussão ideológica que certamente será brandida a propósito (os anúncios de destruição do SNS e a “venda aos privados” não devem tardar). Mesmo sem esse elemento, um problema desde logo é que esse recurso deverá ser pago pelo SNS, mas então como é que se distinguirão os casos atendidos nas urgências privadas que deverão ser pagos pelo SNS dos que não devem dar origem a essa compensação. Obrigar a que as pessoas tenham que ir primeiro a uma unidade pública para serem redireccionadas para uma unidade privada atrasa o atendimento necessário e vai levar a quem se dirige actualmente de forma directa ao sector privado (seja qual for a razão para essa preferência) passe a considerar dirigir-se primeiro ao hospital público para depois ser enviado para o privado, para não ter que pagar (ou contar para efeitos de utilização no âmbito do seguro). Ou seja, o comportamento de procura de serviços de urgência pode ser alterado de várias formas (além da possibilidade de quem vai hoje ao hospital privado querer também ter essa escolha paga pelo SNS, haverá quem vá protestar que quer ser atendido no hospital privado quando antes desta possibilidade optaria pelo sector público). Compreendendo a procura de soluções para situações extremas, esta parece-me ser uma solução que gera mais problemas e confusão do que soluções.

De toda esta situação, o problema central parece estar em falta de capacidade de gestão ao nível operacional, com dois pontos centrais: antecipação do aumento pontual da procura de serviços de urgência, respostas locais a essa antecipação. É uma situação onde sobretudo me parece que falhou a gestão. (estou naturalmente disponível para rever, se houver informação e análise que indiquem outra conclusão).

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

6 thoughts on “as urgências dos hospitais, as soluções e o papel da gestão

  1. Este tema esta muito centrado no repisar da “batata quente” : é para comer com couves ou para cozinha gourmet?
    No “comer com couves” é clara a dificuldade de gestão coordenada entre cuidados primarios e hospitalares (e lares) em muitos locais em especial nas grandes cidades.Com abuso do principio do livre acesso por tudo e mais alguma coisa. E dai a tal percentagem de azuis e verdes sentados ou deitados á espera de tudo inclusive fazer analises ou ter uma receita porque esta há uns dia com dores numa perna. Felizmente os transportes deste doentes apenas entopem parques de estacionamento e quase não provocam mortes.Bola Laranja para esta vertente, no entanto.
    No que toca a “batata quente da cozinha gourmet”, o caso nao é apenas de afluxo.É de afluxo mal segmentado em especial para doentes muito idosos com mix de patologias “duras” e muitas vezes até próximas da fase terminal. E é aqui que a gestão se tem demonstrado muito mais insuficiente e muito heterogénea a nivel nacional, empurrando o tema com a barriga da crise: por falta de recursos é evidente.Por falta de coordenação com as equipas várias de transporte e, muito da falta de segmentação etária com adequação de instalações é claro. ( vide os casos Garcia da Horta e Fernando da Fonseca. Só quem nunca lá passou pode mandar palpites avulso.). Por ferias natalicias também.
    Mas há todo um caminho urgente para os dois tipos de ” batatas quentes” a fazer, desde a linha saude 24 intensa, ate a utilização pedagogica dos media ( que preferem muitas vezes vender a desgraça por razoes de audiências), passando por uma maior convergencia entre ” social” e “saúde” e intervenção proactiva dos transportadores, etc.
    Estou muito porque esta “batata quente” vai dar para acompanhar a sardinhada eleitoral e talvez tenha parto especial na maternidade Alfredo da Costa em fase justiceira …
    Mas lá que é um puzzle onde tem de haver pacto longo para durar entre Ministerio, Profissionais e, quem sabe, futura ” urgentalização municipal” nas épocas de maior afluxo, é verdade URGENTE!!
    Porque como dizia o Dr.House : Todos mentem, etc, etc, etc.
    Mas a verdade é que muitos mais morrem e o eco mediático destas mortes só toca a rebate para apagar o fogo intenso. O que é um perigo crescente e triste para uma sociedade ainda em crise. Publica e Privada.
    Abraço roxo ( está frio🙂 )

    Gostar

  2. Caro Prof. Pita Barros,

    Porquê os costumeiros problemas com Lisboa e Vale do Tejo, enquanto a zona norte não os teve (teve UM caso, que me recorde, em S. João da Madeira)?

    Gostar

  3. @Francisco – mas porque é que as “batatas quentes” não têm resposta adequada? aqui parece-me clara a falha de gestão a nível dos hospitais.

    @Carlos Duarte – hipótese para testar com outras metodologias (que existem): a gestão dos hospitais na zona norte antecipou e geriu melhor as necessidades de acesso da população; hipótese alternativa (vale sempre a pena ter uma): pico de procura foi menor na zona norte. Com hipóteses formuladas, venham os dados; assim, a seco, e sem números, a julgar apenas pelas reacções e notícias, a primeira hipótese poderá não ser rejeitada a favor da segunda. Isto tudo, para evitar o “acho que”!

    Gostar

  4. Caro Prof.,
    Para acrescentar à sua (boa) visão helicóptero, problemas de gestão operacional a jusante sim, mas vindas do cume, mais acima bem entendido…No caso do Amadora-Sintra, vários médicos ditos “tarefeiros” foram dispensados – a chamada “derrama” – antes de dezembro, parte subaquática do iceberg austeridade. Resulta, maior cansaço dos que ficam a “todo o vapor”, eficientes, até o barco meter água nas festas de fim do ano…Noutro vértice, empresas da tanga “fornecedoras” de profissionais de saúde on-time com médicos careiros que não aceitam 10 Euros/horas “limpinhos” e um burnout de cortesia, vá-se lá saber porquê…Mas a culpa cozinhada nunca morre solteira, que a montante do caso em epígrafe, nos CSP existe outro vértice executivo com uma liderança sui generis que leva os profissionais de saúde ao lume com muita … brandura.
    Um verdadeiro triângulo da “Porcalhota”!
    Cumprimentos

    Gostar

  5. Falha de gestão e acima de tudo de ausência de responsabilização dos gestores. E um simples problema de desiquilibrio entre oferta e procura e falta de alocação de um local para ver verdes e azuis em lugar adjacente ao hospital, efetuado por médicos de MGFs e internos do 3* ao ultimo ano.

    Agora se querem manter uma de autismo e baterem na mesma tecla que os culpados são a gripe ou os internos que são lentos, um dia arriscam-se a algo mais do que a uma derrota histórica em eleições…

    Gostar

  6. Recebido via facebook:

    [1] “Falhou a gestão”, parece ser uma conclusão conservadora…

    [2] Falhou toda a Planificação Nacional, Regional e Local! E falhou “em crise”…. mas, genericamente de acordo!

    [3] Falta aí a educação da população para não recorrer aos SU no 1º dia de febre, tosse e congestão nasal. Todas as pessoas já tiveram esta sintomatologia e sabem como tratá-la. Só que a entidade patronal, as escolas ( até já me pediram declarações para a catequese) não aceitam faltas sem a justificação médica. E se neste período de aumento de casos de gripe e outras viroses os SU estão como estão é pelo medo de faltas injustificadas que põem em risco o seu posto de trabalho já tão instável.Já não falando dos SAPs, SACUs que deviam dar outra resposta, mas isso já é outra conversa.

    recebido via email:

    Sobre as urgências informo que na minha USF aqui em [zona de Lisboa], neste ano, como nos outros, a crise da gripe não se faz sentir. (fechamos às 20 h , apesar de estarmos com autorização para prolongar se necessário), e a sala de espera está vazia, assim como costuma estar de manhã quando abrimos ás 8 h. Nos CSPSs trata-se apenas de uma questão de responsabilização, organização, e motivação vindas de baixo para cima.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s