Momentos económicos… e não só

Corridas, poupança e certificados de aforro

2 comentários

Os últimos dias tiveram a uma corrida aos certificados de aforro, após o anúncio de que as respectivas taxas de remuneração irão baixar. As notícias apontam para que tenha havido mesmo uma retirada de depósitos a prazo para colocar neste instrumento de poupança.

Esta situação gera dois tipos de comentários. Primeiro, associado com o nível de poupança na economia portuguesa. A decisão do Governo sobre as taxas de juro dos certificados tem permanente uma tensão entre estimular a poupança (taxas mais elevadas) e reduzir o custo de financiamento (os juros pagos) da dívida pública (taxas mais baixas são melhores). Com a redução das remunerações nos outros instrumentos de poupança e na restante dívida pública, a opção de reduzir o custo de financiamento é mais natural neste momento. Resta saber se afectará, ou não, a poupança das famílias, que se encontra em fase ascendente (apesar do período de crise, ou se calhar por causa da incerteza gerada pela crise).

 

Screen Shot 2015-01-30 at 11.43.45

Fonte: PORDATA

 

 

O segundo aspecto é o impacto sobre a forma como os diferentes instrumentos são encarados pela população. Os actuais níveis de taxas de juro nos depósitos motivam essa passagem para os certificados de aforro (e para os instrumentos de dívida pública). Esta pressão dos últimos dias sugira que os cidadãos estão atentos a estas diferenças, o que significa que a descida das taxas de juro nos certificados de aforro irá facilitar a vida aos bancos, ao aproximá-las entre instrumentos. Ou seja, o “entusiasmo” dos últimos dias com os certificados de aforro significa que a manutenção permanente de uma diferença de taxas de juro elevada seria mais penalizadora para os bancos do que este efeito de dias.

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

2 thoughts on “Corridas, poupança e certificados de aforro

  1. ” a manutenção permanente de uma diferença de taxas de juro elevada seria mais penalizadora para os bancos do que este efeito de dias.” Para o Brasil, tem sido sistematicamente o contrário. O que eu sei é que juros altos sempre foi o sonho de consumo da banqueirada. Quando a divida publica esta no pedaco, a banqueirada fica simplesmente excitadissima.

    Gostar

  2. O velho tema do sob e desce dos Certificados de Aforro (e também os Certificados do Tesouro) é um pouco como a “velha caderneta da Caixa”, um indicador de confiança do aforrador português conservador e da forma como é percepcionada a actuação do Ministério das Finanças face aos instrumentos de poupança populares numa população envelhecida e desconfiada com as dificuldades da confiança na Banca.
    Convém recordar as reacções dos aforradores no tempo do Ministro Teixeira dos Santos (2010/11?) e da forma atabalhoada como o SETF da altura, argumentou perante aquilo que foi considerado mediaticamente “um favor aos Bancos…
    A grande questão, do meu ponto de vista é saber qual é efectivamente o conjunto de segmentos que reagiu desta vez e se tal tem ou não coerência face ao historial destes instrumentos de poupança.
    E a realidade é que ning+em pedagogicamente explica se estamos perante mais uma urgência ou uma medida coerente e estrutural relativamente à divida pública.E à situação dos bancos olhando o futuro. diferente do recente passado.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s