Momentos económicos… e não só

hoje, no jornal “i”, sobre o Serviço Nacional de Saúde

3 comentários

a argumentar que devemos ter a ambição de pensar o longo prazo, aqui, e para completar, com o relatório Gulbenkian (para quem ainda não o tenha lido, resumo e versão completa).

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

3 thoughts on “hoje, no jornal “i”, sobre o Serviço Nacional de Saúde

  1. “Está na altura de olhar para o futuro do Serviço Nacional de Saúde. O ponto de partida é, obviamente, a vontade da sociedade portuguesa de manter o SNS como elemento central do sistema de saúde. Para corresponder a essa expectativa, o SNS tem de vencer desafios mais imediatos e desafios a longo prazo.”
    Sintetizas bem o Grande tema; mas a arrumação, se me permites, para envolvimento transversal e a partir do cidadão, deverá ser simplesmente um triângulo : 1-como manter a disponibilidade e qualidade por segmentos de doentes (o tema da referenciação tem de ser revisitado em profundidade e apoiado em métodos baseados em SI simples e que funcionem). 2- Como melhorar a produtividade integrada entre Social e Saúde em que cuidados primários, hospitalares, continuados e lares sejam vistos como um todo e não como uma montanha de pequenos montes. 3-Como explicar o tema da “rentabilidade/sustentabilidade” tendo em conta o peso da inovação e da articulação entre Administração Central e Local, Publico e Privado e Social com e sem voluntariado.
    Falar sempre do curto prazo (é pra manhã como cantava o Variações é sempre e só musica sazonal) e apontar sempre o longo prazo sem quantificação de ganhos em saúde cheira muito a “marketing do Paraíso”. Daí que o Plano Nacional de saúde devesse ser um doc articulável com outras áreas de governação para além da Saúde, em especial educação e segurança social. E Finanças Públicas🙂

    Gostar

  2. Concordo com o teu triângulo. E um comentário e uma clarificação.
    No teu vértice 3, precisamos de cuidar de ter regras claras de entrada/saída, para que em haja capacidade de evolução a condições que mudam. Evitar ter uma “Administração Central e Local, Publico e Privado e Social com e sem voluntariado” que pretende a sua fatia de orçamento do SNS apenas por existir.
    Clarificação do meu “marketing do Paraíso” com um exemplo do contrário ao que expresso: quando se fala em reabrir camas e contratar pessoal em resposta a uma crise de procura pontual – são esses recursos necessários em funcionamento normal da instituição? se sim, a contratação corresponde a uma visão de longo prazo; se não, e a contratação serve apenas para dar resposta a um pico imediato e para sossegar a imprensa e a opinião pública, tem-se a visão de curto prazo a criar problemas futuros (se as contratações são permanentes, vai-se ficar com uma estrutura desequilibrada quando passar o pico de procura, se são temporárias vai-se ter o descontentamento profissional quando forem dispensados). E neste caso não precisei de ganhos em saúde – há uma parte de organização da oferta de cuidados que deve ser pensada na forma como lida com a incerteza da procura (do que lhe aparece à frente para tratar).

    Gostar

  3. Estive na apresentação do relatório e devo dizer que saí positivamente surpreendido. Este relatório é hoje apresentado aos meus alunos como leitura suplementar. Gostaria contudo de ver explorado o tema das terapêuticas não convencionais no âmbito das mudanças de paradigma ali preconizadas.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s