Momentos económicos… e não só

venda de medicamentos não sujeitos a receita médica

6 comentários

 

Na semana passada a questão da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica em mais locais voltou a surgir. Desta vez, com o destaque dado à posição da ANF – Associação Nacional das Farmácias de que se a venda é livre então deverá ser permitida em mais locais do que os actuais, posição que tem também uma visão favorável do Infarmed, com o pressuposto de que nos mesmos locais não seja vendido tabaco. (ver aqui a noticia)

A posição da ANF tem a ressalva de serem contra a venda desses medicamentos fora das farmácias (no que é acompanhada pela AFP – Associação de Farmácias de Portugal), mas dado que é permitida, então que seja o mais ampla possível.

Apesar de se poder encontrar alguma ironia na posição da ANF há um sentido estratégico mais profundo nessa posição. Olhando para o formato de concorrência na venda de medicamentos não sujeitos a receita médica, encontramos três tipos de agentes económicos: as tradicionais farmácias, as parafarmácias de pequena dimensão e alcance sobretudo local e as redes de vendas, onde se incluem os espaços localizados na grande distribuição retalhista. O que a ANF diz, lendo além do sound bite, é que prefere que as farmácias tenham uma concorrência mais pulverizada do que ter como concorrente poucas cadeias da grande distribuição. Do ponto de vista das farmácias faz todo o sentido ter uma concorrência local, mas que não seja esmagadora. Para o cidadão, fará diferença? há dois efeitos de sinal contrário, e não é à partida possível decidir se domina um ou outro. Por um lado, se as grandes cadeia de distribuição forem mais eficientes (tiverem menores custos), poderão praticar preços menores; por outro lado, se forem poucas, ou muito poucas, as redes de pontos de venda ao cidadão, estas terão capacidade de praticar preços mais elevados, não passando a eficiência conseguida via menores preços aos cidadãos. Ou seja, tem-se um possível efeito de poder de mercado a contrapor-se ao possível efeito de maior eficiência.

Ora, sabemos hoje em dia muito pouco sobre as eficiências de dimensão que possam estar associadas à venda de medicamentos não sujeitos a receita médica e nada sabemos sobre como esses ganhos de dimensão são passados, ou não, aos consumidores finais via menores preços.

Olhar apenas para a evolução dos preços nos locais de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (disponível no site do Infarmed) observa-se que o índice de preços na grande distribuição é mais elevado do que em alguns pequenos retalhistas, e que a grande distribuição tem uma posição de relevo na venda destes medicamentos. Ou seja, se há a presunção inicial de vantagens de dimensão e apresentam preços mais elevados, então ou há custos superiores e a presunção inicial não é válida ou há exercício de poder de mercado. Uma alternativa que não é possível discutir com a informação disponível é se os índices de preços correspondem a quantidades e a produtos distintos (sendo o índice de preços consistente ao longo do tempo para cada entidade, mas não sendo igual entre entidades), não sendo o texto esclarecedor quanto a este aspecto.

Do que sabemos dos primeiros 5 a 6 anos da liberalização da venda destes medicamentos, com recurso a um censo das vendas nas farmácias de Lisboa (por facilidade de recolha), e usando um cabaz de 5 produtos comuns, a pressão concorrencial fazia-se sentir – no sentido em que nas zonas com mais parafarmácias as próprias farmácias tinham preços mais baixos para estes produtos – mas não era muito importante em termos quantitativos. Claro que há fortes limitações de generalização por se ter apenas Lisboa e 5 produtos, e por não ter dados mais recentes, mas tudo indica que a pressão concorrencial existe mas fraca. O principal benefício para os cidadãos será então a existência de mais pontos de venda, e não a redução do respectivo preço. O que ajuda também a perceber porque será para a ANF mais relevante a diluição do poder de mercado de redes concorrentes face a uma maior pressão nos preços que as próprias farmácias pudessem ter.

(Para os medicamentos sujeitos a prescrição, a actualização da sua evolução numa noticia da Marlene Carriço no Observador, disponível aqui)

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

6 thoughts on “venda de medicamentos não sujeitos a receita médica

  1. “Por um lado, se as grandes cadeia de distribuição forem mais eficientes (tiverem menores custos), poderão praticar preços menores; por outro lado, se forem poucas, ou muito poucas, as redes de pontos de venda ao cidadão, estas terão capacidade de praticar preços mais elevados, não passando a eficiência conseguida via menores preços aos cidadãos.”

    E essa maior eficiência das grandes cadeias de distribuição pode ser prejudicada pelo alargamento dos pontos de venda de mnsrm? Não criará, essa diversidade de agentes, pressão concorrencial de forma a aumentar ainda mais eficiência e diminuir custos?

    Gostar

  2. @Filipe – o alargamento dos ponto de venda terá que basear-se numa vantagem de conveniência para os cidadãos, não me parecendo à partida que possam ter menores custos de organização que as grandes cadeias de distribuição (afinal, o negócio destas é a logística). Assim sendo, a pressão concorrencial que virá destes outros pontos de venda poderá fazer baixar os preços nesses outros locais, o que reduz o interesse na sua expansão por parte da grande distribuição – o que tem a hipótese implícita que as eficiências que ainda podem conseguir não são suficientes para compensar essa pressão concorrencial de outros locais. Em qualquer caso, para os cidadãos, a maior pressão concorrencial deverá permitir ter mais pontos de acesso e preços mais baixos, mesmo que as grandes cadeias consigam reduzir ainda os seus custos face à situação actual. Com a informação disponível publicamente, não consigo avançar muito mais que estes princípios genéricos.

    Gostar

  3. Num balanço dos anos de liberalização de preços (que sucedeu em paralelo com o aumento de pontos de venda autorizados) consegue-se afirmar que há uma redução dos preços dos MNSRM? Globalmente, só nas farmácias ou só fora das farmácias?

    Gostar

    • Pedro, face ao ano de 2005, os indices de preços calculados e apresentados no boletim do Infarmed apontam um aumento de 10-12% nos preços. Mas sem saber custos subjacentes (ou as margens retiradas nessas vendas) é dificil fazer um juízo de valor completo.

      Gostar

  4. comentário recebido via facebook (da parte de uma pessoa com formação médica):
    “Sou da opinião que todos os medicamentos, mesmo os não sujeitos a receita médica deviam ser vendidos exclusivamente em farmácias. Há dias vi vender um medicamento numa parafarmácia a uma pessoa idosa , sem perguntarem se tomava mais medicação que podia ser incompatível ou se tinha qualquer patologia associada. Só falei quando mandaram tomar numa posologia totalmente errada.”

    Gostar

  5. comentário recebido via facebook:
    “Compreendo a questão econômica associada a estas políticas, no entanto, temos de ter em consideração a questão principal neste sector, é a saúde, a segurança, a eficácia e a qualidade com que são disponibilizados estes produtos aos utentes.
    Conforme podem ver em estudos de diversos países como Inglaterra, um dos produtos com maior taxa de utilização para suicídios é o paracetamol, ou seja, quando dizemos que são produtos para venda fora das farmácias, deveríamos ter em consideração os riscos para a saúde e os custos econômicos secundários que podem advir destas medidas.
    Cumprimentos”

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s