Momentos económicos… e não só

Cerâmica Valadares e Autoeuropa

2 comentários

Uma noticia de ontem aqui sobre a nova cerâmica Valadares. O aspecto que mais me chamou a atenção foi o ter passado pouco tempo (para Portugal) até se encontrar uma nova utilização produtiva dos mesmos activos, físicos e humanos, uma vez que irão ser contratados antigos trabalhadores pelo conhecimento que possuem. À frente do projecto irão estar antigos dirigentes da empresa. Desde há muito que um dos problemas de funcionamento da economia portuguesa é deixar que os activos produtivos (equipamento, pessoas, capital organizacional) se perca rapidamente sempre que uma empresa entra em falência. Cabe agora à empresa, à gestão e aos trabalhadores que forem contratados, mostrar que tem capacidade de ser rentável.

No mesmo dia foi dada a notícia de que a Autoeuropa irá parar um dia para acomodar a falta de peças resultante de um incêndio numa das empresas que a fornece. Significa que os riscos de uma gestão muito exigente de stocks são partilhados com os trabalhadores, dando flexibilidade à empresas para manter um elevado padrão de produtividade. Também no sector do calçado (pelo menos) houve “adaptabilidade de horário” (creio ser este o termo), e o hoje é um sector com reputação internacional e fortemente exportador.

É esta capacidade de renovação e de adaptação que tem de ser procurada pelas empresas e trabalhadores e que levará, se generalizada, ao crescimento da economia portuguesa. Não me surpreenderia saber que há ainda muitas empresas paradas com os equipamentos a estragarem-se e os trabalhadores com elevado conhecimento específico a perderem-no, ou empresas onde um pouco de flexibilidade nos horários e dias de funcionamento poderia contribuir para uma gestão mais eficiente.

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

2 thoughts on “Cerâmica Valadares e Autoeuropa

  1. E do velho não obsoleto se faz novo renovado.O drama deste País na Indústria, Agricultura e Serviços é que parece que só o novo é inovador.Quando na verdade só é, muitas vezes,mais rentável para novas soluções de investimento .
    Comparar os resultados do PEDIP I com os do PEDIP II é sempre útil. Para perceber que a lei da sobrevivência ainda é a grande base para muito mais desenvolvimento do que o que se espera só do novo novo.Para além de equipamentos novos e só gente nova.
    O mundo por lei avança.No nosso caso com o peso da burocracia de Estado a ajudar o avanço lento.

    Gostar

  2. Caro Prof. Pita Barros,

    Parece-me que parte do “mérito” é devido à reforma do sistema de insolvências/recuperação de empresas. Com o sistema antigo, existia um incentivo “de facto” para fechar as empresas, porque esse era o melhor resuldado (em termos monetários) para o admnistrador de insolvência. Como o sistema novo, não é bem assim, pelo que empresas viáveis com algum “esforço” têm uma hipótese real de se regenerarem.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s