Momentos económicos… e não só

ainda notícias da semana passada: “Marcelo contra cortes nas PPP da Saúde”

3 comentários

No Expresso da semana passada saiu uma notícia com este título, que essencialmente fala das “rendas” a privados na saúde, e dentro disso as PPP. As PPP terão que receber uma decisão política quanto à continuação da exploração clínica por parte das entidades privadas nos próximos anos. E a menos de mudanças de Governo, o que for a decisão para a primeira PPP em que o tema se coloca será provavelmente retomado nas restantes.

Este é um tema onde o julgamento ideológico (contra ou a favor) da sua utilização se disfarça frequentemente na discussão com outras capas. Aparentemente, uma dessas capas será a das “rendas”, termo que entrou na moda há algum tempo mas que me parece não ser bem entendido por muitos dos que o usam.

Na terminologia económica, quando se fala de “rendas económicas” está-se usualmente a pensar em “lucro excessivo”,  que é lucro acima do que é a remuneração normal dos donos (em geral privados) das entidades que desenvolvem essas actividades. Ou seja, entidades privadas terem lucro contabilístico é perfeitamente compatível com ausência de rendas, e apenas quando esse lucro é elevado no sentido em que se fosse mais baixo mesmo assim seria uma retribuição adequada do trabalho desenvolvido pelo dono/accionista da empresa (que pode ser a retribuição do investimento realizado).

A questão da definição é importante porque afecta de forma fundamental a análise económica da existência de “rendas económicas”. Num post recente, a propósito do estudo realizado pela Entidade Reguladora da Saúde, abordei esta questão directamente e transcrevo:

“Vale a pena, a propósito da passagem da decisão para o contexto político, que além da posição ideológica, patente em vários casos, o modelo PPP é sempre facilmente atacado com interpretações parciais dos resultados, razão pela qual será relevante que no debate político que virá certamente a ser travado sejam clarificados os objectivos que se entendem que os hospitais públicos do SNS devem cumprir, e a importância relativa de cada aspecto. Prefiro ilustrar este “problema” recorrendo a um exemplo fictício. Admitamos que um hospital do SNS teria um custo total de 100 para um determinado volume de actividade e qualidade nessa mesma actividade. E admitamos que para os mesmos parâmetros de nível actividade e qualidade, um contrato PPP permite que o custo para o Estado seja 90, e o custo real para a entidade privada seja 80. É fácil dizer que há “rendas excessivas” e que o preço pago devia ser 80. Mas se o contrato dissesse que o preço pago seria igual aos custos, certamente que a entidade privada não teria custos de 80 mas provavelmente 100 ou mais. Há que não confundir “rendas excessivas” com remuneração da capacidade de gestão.

Mas suponhamos que afinal a gestão privada PPP não conseguia recolher esses ganhos de eficiência, e tinha custos reais de 100, iguais aos da gestão pública. A entidade privada teria perdas de 10, com um pagamento de 90 pela entidade pública contratante. Quem for contra o modelo PPP pode então protestar que o modelo PPP não é melhor que a gestão pública (no que tem razão), mas neste caso haveria um “subsidio” da entidade privada ao sector público.
Estes dois exemplos ilustram como se pode dizer, em qualquer caso, como o modelo PPP é mau, ainda que o sector público pague menos.”
A propósito dos pagamentos a privados, a Conta Satélite da Saúde permite ver onde o SNS paga mais a prestadores privados, sendo que nos últimos anos a) os preços dos medicamentos em ambulatório têm descido, e os mecanismos instalados desde 2011 exercem pressão  nesse sentido; b) muitos contratos com privados passam já pelos concursos da SPMS ou por negociação com forte enfoque no preço; c) os contratos PPP foram atribuídos em regime competitivo, que se traduziu em reduções do preço do serviço prestado face ao comparador inicial e durante o processo. Não é por isso claro onde se quer procurar “rendas excessivas” que sejam óbvias e fáceis de calcular e façam a diferença em termos de contas do SNS. Mais do que as relações com os privados, será no funcionamento interno do SNS e das entidades prestadoras de cuidados do SNS que se jogará o futuro, da capacidade assistencial e da capacidade de sustentabilidade financeira.
Screen Shot 2016-09-05 at 18.50.17.png

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

3 thoughts on “ainda notícias da semana passada: “Marcelo contra cortes nas PPP da Saúde”

  1. Parece-me que a acusação usual (com ou sem fundamento) é outra:

    Que o Hospital custa 100 no SNS mas o Estado “subcontrata” a um privado por 90, sendo que depois à custa de “extras” e “renegociações” acaba por pagar 110.

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s