Momentos económicos… e não só

O Euro e o Crescimento Económico, por Pedro Braz Teixeira (1)

3 comentários

No dia 03.02.2017 tive o prazer de participar na apresentação pública do livro mais recente de Pedro Braz Teixeira, um ensaio da série publicada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, tendo como título O Euro e o Crescimento Económico.

O livro debruça-se sobre uma questão económica, talvez mesma “a” questão, dos últimos anos em Portugal: Porque temos estagnação económica desde o início do milénio?

A resposta apresentada pelo Pedro, e que é dada logo na introdução para que ninguém fique com dúvida, resume-se numa palavra “Imprudência” – a culpa é da “forma extremamente imprudente como os anos de preparação para a adesão do euro foram geridos”. Ou seja, a estagnação económica foi construída antes da entrada em vigor do euro. E as vozes que culpam o euro estão simplesmente enganadas.

Para sustentar esta posição, PBT percorre vários aspectos ao longo do livro: o processo de criação do euro, os princípios económicos subjacentes a ter uma moeda comum e em que medida estavam ou não preenchidos, o processo político – que ignorou criticas e avisos [ver a p. 40 do livro para um aviso concreto de PBT] -, a preparação da participação de Portugal na criação do euro – com destaque para as megalomanias públicas e privadas em termos de despesa financiada por crédito-, os primeiros anos dentro do euro, a crise de 2008, choque internacional que é amplificado pelas debilidades nacionais, nas políticas públicas e no sector bancário, o resgate a Portugal e, por fim, que respostas possíveis.

E apesar do Pedro não colocar de forma explícita, dá também a sua explicação para a “imprudência” que conduziu à estagnação económica em Portugal: “miopia” – miopia europeia em vários aspectos da construção do euro, e miopia nacional, no Governo, no sector público e no sector privado.

A preocupação que permanece é saber se estamos livres dessa miopia, nos vários níveis de decisão, em Portugal e na União Europeia.

Na apresentação do livro, Pedro Braz Teixeira, fez um post-scriptum, em que a mensagem principal é não acreditar que o euro sobreviva mais cinco anos, ou que, se sobreviver, Portugal não estará no euro daqui a cinco anos. Esta previsão é, a meu ver, demasiado pessimista face às potencialidades e desafios económicos que defrontamos. Mas como previsão, só o tempo dirá se acerta ou não.

Advertisements

Autor: Pedro Pita Barros

Professor de Economia da Universidade Nova de Lisboa

3 thoughts on “O Euro e o Crescimento Económico, por Pedro Braz Teixeira (1)

  1. Ainda não li o livro de PBT pelo que o meu comentário se restringe ao que depreendo do seu.

    Que a crise de 2008 apenas destapou e exponenciou a crise latente que vinha detrás parece incontestável.
    Que a introdução do euro não foi acompanhada das medidas que poderiam minorar os efeitos negativos sobre o crescimento económico também parece consensual.
    Que esses efeitos não eram imprevisíveis basta uma leitura do que sobre o assunto alertou, entre outros, Delors.
    Em 2006, durante a Conferência do Banco de Portugal na Gulbenkian, Olivier Blanchard apresentou uma comunicação/alerta (estava lá Vítor Constâncio) que ninguém contestou mas que também não foi levada em conta.

    Durante anos e anos, os bancos estrelejavam nos primeiros meses do ano lucros espantosos. Espantosos porque nunca percebi – e disse isso várias vezes a banqueiros – como é que podia uma vaca escanzelada desfazer-se em tanto leite. Um dia disse a um deles, mais tarde presidente até agora – que um dia a vaca ia cair-lhes em cima. Respondeu-me que estivesse eu descansado porque os bancos nunca iriam à falência. Tinha razão. A vaca não caiu em cima deles, banqueiros, mas em cima de nós, contribuintes.

    O comportamento da banca em geral, incluindo o banco central, foi criminoso (se exagero, corrija sff) porque importou crédito a níveis que eles sabiam, porque tinham obrigação de saber, acabariam por colocar o país fora de pé.
    Os problemas da banca terão de passar pela redução do número de bancos. Há bancos a mais e mesa a menos. Não temos economia, há muito tempo que não temos, para suportar tantos banqueiros. Que, segundo as notícias – vd. artigo de ontem no DN – são maus gestores … mas bem pagos.

    Segundo notícia/artigo publicada no Jornal de Negócios de hoje “o BCE vai travar a fundo as compras de dívida portuguesa”.
    Se assim for, onde estão os cintos de segurança? Na saída do euro?
    Tenho de ler o livro de PBT para tentar perceber como.

    Gostar

  2. Há um ponto simples, muito simples de calcular, mas que nunca vejo nenhum economista utilizar como argumento para uma discussão profunda do euro e da economia não-transaccionável portuguesa.

    Se calcularmos as exportações portuguesas de bens e serviços em 2002 e em 2014 (último ano com os dados disponíveis) verificamos que as nossas exportações cresceram quase tanto como as alemãs, tanto como as holandesas e britânicas e acima das espanholas, das italianas e das francesas. Por que continuam os economistas a falar sem olhar para as estatísticas e a propagandear que não somos competitivos com o euro. http://balancedscorecard.blogspot.pt/2016/08/facam-as-contas-comigo.html

    Todas as análises culpa o euro e poucas ou nenhumas falam da China. Como é que os que culpam o euro interpretam este gráfico publicado ontem pela OCDE? https://4.bp.blogspot.com/-Ts4b_1lM6yU/WJh8WQ-leII/AAAAAAAAP78/b7_TJhD-KoEyV9ed2WlRtuEVbTJqia7JwCLcB/s400/Captura%2Bde%2Btela%2B2017-02-06%2B13.35.23.png

    Gostar

Deixe um momento económico para discussão...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s